Translate


Reviravoltas

- Mas tem que ser para tão longe filha?

- Sempre quis conhecer o Marrocos mãe, e além do mais, vai ser melhor para mim, preciso me desprender de algumas coisas e de um tempo só para mim...
- Ah filha, está bom, mas não deixe de mandar notícias, fico preocupada.
- Licença... não queria atrapalhar, mas... Nanda... já está na hora, vamos?
- Ahnnn... Sim, sim... por favor, me espere no carro Marcos, já estou indo...
Fernanda se despediu de sua mãe e depois saiu em direção ao carro. Marcos era um amigo fiel, a amizade deles já perdurava 15 anos, porém o que Fernanda não sabia é que Marcos sempre foi apaixonado por ela.
...

- Nossa um horário deste sem trânsito é um milagre! Já estamos quase no aeroporto.

- Tem razão Nanda, o trânsito aqui normalmente é terrível! Você lembra quantas vezes eu já vim aqui te pegar quando você voltava das suas viagens?

- É, eu lembro...

Por um certo momento Nanda distraiu-se olhando Marcos, reparando em seus traços, e em um flash rápido lembrou-se de quanto ele já a ajudou, Das conversas íntimas até os momentos de consolo, principalmente quando estava magoada com Carlos, seu ex-namorado.

- Pronto... chegamos... – disse Marcos ao entrar no estacionamento do aeroporto. 

Logo depois de parar o carro houve um silêncio constrangedor até que Marcos resolveu falar.

- Vou sentir sua falta...

- Eu também Marcos, mas é eu preciso esquecer... - Antes que conseguisse terminar a fala, Nanda sentiu a boca dele encaixando-se a sua. Com a carência gritando a níveis exorbitantes, Nanda deixou-se levar e arrepiou-se ao sentir a mão de Marcos subindo entre suas coxas, por baixo de seu vestido.

- Maaarcos.... – Sussurrou Fernanda assim que sentiu aqueles dedos adentrarem sua boceta, com as alças de seu vestido abaixadas sentia a boca dele a chupar seus seios - Eu te amo... – Fernanda escutou-o dizer ao pé do seu ouvido.
- Não Marcos, pare! – Disse Fernanda, encarando-o nos olhos.
- Eu te amo Fernanda, vamos ficar juntos!

- Marcos, por favor pare! Não deixe as coisas mais difíceis do que estão para mim. Eu gosto muito de você e você sabe... e por isto não quero que nada atrapalhe a nossa...

- Nanda... eu sempre fui apaixonado por você...

Nanda o olhou nos olhos, e não conseguiu juntar forçar para dizer o que realmente era necessário, e ainda assim permitiu que um novo beijo ocorresse. Minutos depois, acariciando o rosto de Marcos ela disse:

- Eu preciso ir... temos que conversar melhor quando eu voltar...

3 dias depois no The Lust Club em Marrakesh

- Ei! Por favor, quero mais uma bebida desta – disse Fernanda assim que chegou ao bar. Enquanto preparava a bebida o barman aproveitava para contemplar a bela imagem que o decote de sua blusinha proporcionava.

Voltando para a pista Fernanda dançava sem parar, estava completamente fora de si. O efeito de uma droga que havia provado deixava tudo mais psicodélico, não conseguia sequer enxergar os traços das pessoas, eram apenas vultos ao seu redor. De repente Fernanda sente um corpo colando junto ao dela, encoxando-a e fazendo-a sentir aquele volume enrijecido.

“Uhmm isto...”, dizia a si mesma enquanto esfregava-se naquele homem. Foi quando de repente se surpreendeu com outro corpo na sua frente, tomando-a nos braços e lhe arrancando um beijo ardente.

De repente tudo começou a escurecer...

"Ai... Eu não estou bem...”, disse Fernanda a si mesma, sentindo aquele sujeito estocando em sua bunda, ao mesmo tempo em que se encontrava cavalgando o cacete de outro – Parem, por favor... Onde eu estou?? – Dizia Fernanda, assustada, se vendo meio aquela escuridão.
...

Sentindo seus punhos e joelhos arderem Fernanda recobrou sua consciência. Notou que estava em um beco escuro, mas não conhecia o lugar. “Como vim parar aqui? O que aconteceu? ”, sentia-se tonta, sua visão ainda turva. Olhando para seu corpo notou seus seios de fora, ao passar a mão em seu rosto sentiu sua pele grudar e junto aquele forte odor de sêmen.

Fernanda começou a chorar assim que raciocinou o que lhe acontecera, porém ela não se lembrava de nada. Deitando-se no chão, Fernanda se pôs aos prantos, até que novamente perdeu suas forças e ali mesmo adormeceu.

No dia seguinte...

- Ahnn? .... Onde estou? – Erguendo-se um pouco Fernanda se viu em um quarto todo branco, estava deitada em uma cama de casal, olhando para seu corpo se viu com uma calcinha e uma camisa que certamente não lhe pertenciam.

- Ahnnn olha só princesa acordou!

- Ei! Quem é você? – Esbravejou Fernanda encolhendo-se no canto da cama.
- Muito prazer, me chamo Alex, também sou do Brasil, e estamos em uma pousada no lado norte de Marrakesh. 

Fernanda o olhava desconfiada. Não conseguia se lembrar de como havia o conhecido e muitos menos de como foi parar ali.
- Nós.... Nós ... fizemos...

- Sexo? – Disse Alex sorrindo, em seguida a olhou nos olhos e respondeu – Até gostaria, mas você não estava em condições de fazer nada, eu apenas te dei um banho. Você estava fedendo a álcool. Te encontrei definitivamente na sarjeta e um beco próximo ao The Lust Club, estava deitada numa poça d’agua... uma imagem deplorável... 

- Meu Deus... – dizia Fernanda com a mão na testa.
- É.... aquele Club é uma perdição, eu sei..., mas agora coma um pouco, preparei um café da manhã para você... 

Alex pegou a bandeja e levou até Fernanda que o olhava sem jeito e ainda um pouco desconfiada. Mas mesmo assim timidamente ela o agradeceu. 

- Bom... não pense que irá comer tudo isto sozinha viu princesa... – disse Alex deitando-se ao lado dela. 

Enquanto dividiam o café da manhã conversaram, riram e encontraram muito mais afinidades do que poderiam imaginar.

7 dias depois... 

- E você viu a cara dele!!! – Dizia Fernanda chegando ao quarto e rindo como há muito tempo não fazia – Nossa acho que nunca me diverti tanto!! – Completou, tirando os sapatos e se jogando na cama.

- Eu sabia que você ia gostar... – disse Alex já sem camisa, usando apenas um jeans. Agachando-se na frente dela, ele segurou-lhe as pernas abrindo-as e admirando seu sexo nu. 

- Te ver aquele jeito me deixou com um certo apetite – disse Alex abocanhando a boceta de Fernanda e chupando-a com destreza, fazendo-a contorcer-se na cama.

Minutos depois Fernanda encontrava totalmente nua, vendada, com seus punhos amarrados acima da sua cabeça e presos a cabeceira da cama e seus tornozelos amarrados aos cantos deixando seu sexo totalmente exposto.

Fernanda se contorcia sentindo a boca dele chupando seu sexo com voracidade, levando à loucura e fazendo-a atingir um prazer desconhecido para ela.
Levantando-se e andando ao redor de Fernanda ele disse – Quais são as cores? 

- Amarelo e Vermelho...
- E quem é o seu Dono? 

Aquele tom de voz e a forma como ele conduzia aquele jogo faziam-na sentir o seu corpo arder de desejo. Repentinamente ela sentiu aquele pedaço de couro percorrer seu corpo fazendo imediatamente sua respiração acelerar.

– Dante... meu senhor... meu Dono... estou aqui só para servi-lo. 

- Boa menina... – ele disse e em seguida golpeou as coxas dela com o chicote fazendo a urrar de dor e prazer.
E assim iniciaram-se os jogos daquela noite, transaram por todos cantos do quarto até por fim adormecerem juntos naquela imensa cama de casal.

10 dias depois...

- Nossa Alex, ter conhecido você foi a melhor coisa que poderia ter me acontecido nesta viagem. Só que não entendo o porquê você não se abre comigo e não me diz o que está sentindo... do que você tem medo?
- Melhor você se arrumar Fernanda, precisamos estar no aeroporto em uma hora.

Olhando Alex parado em frente à janela, sem encara-la nos olhos, Fernanda sentia-se triste. Não queria perde-lo, mas também não poderia arriscar tudo por alguém que não era claro quanto aos seus sentimentos ou seus objetivos. Pegando sua toalha sobre a cama Fernanda entrou no banheiro e enquanto tomava seu banho chorava em silêncio sentindo seu peito queimar de dor.

3 dias depois...

- Oi Marcos! Entre, ela está saindo do banho... só me perdoe por não ficar, estou indo à Igreja, já estou até atrasada... – disse a mãe de Fernanda abrindo a porta para que Marcos entrasse.
- Tudo bem Joana, e nem quero incomodar muito, ela deve estar descansando...
- Oi Marcos! – Disse Fernanda chegando a sala. Os dois se cumprimentaram com um forte abraço e sorrisos.

- Você está linda! – Disse Marcos olhando-a dos pés à cabeça.

Fernanda e Marcos ficaram conversando por umas duas horas. Ela lhe contava sobre os lugares que conheceu, sobre a cultura marroquina e lhe mostrava diversas fotos. Marcos ouvia tudo atentamente, mas alguns pensamentos não paravam de poluir sua mente roubando-lhe a atenção, “vai... beije-a! Ela está te dando mole, é a sua chance...”.

- Fernanda eu te amo, fica comigo, quero te fazer muito feliz – disse Marcos repentinamente interrompendo Fernanda que começava a contar sobre a comida marroquina.

Sentados no sofá da sala, ficaram apenas olhando um para o outro durante alguns segundos, e em seguida começaram a rir. Por um breve momento Fernanda lembrou-se de Alex, e de tudo que viveu com ele, um aperto tomou seu coração, mas antes que pudesse dizer algo Marcos encostou seus lábios ao dela e lhe roubou um novo beijo.

- Marcos... não ... – disse Fernanda segurando-lhe e afastando-se um pouco... – me perdoe Marcos, mas eu não consigo...
- Ainda está pensando naquele cafajeste do Carlos?
- Não, não, não..., mas nesta viagem... eu conheci alguém, e....
- Não acredito! – Esbravejou Marcos levantando-se nervoso – eu sou o cara que sempre está do seu lado em todas situações, eu te amo Fernanda e você nunca! Nunca! Sequer me olhou como um homem...

- Marcos, me desculpa, mas é que sempre te vi como um irmão, mas agora... estou confusa, talvez seja melhor para você que nos afastássemos um pouco...
Com os olhos marejados de lágrimas Marcos a encarou pela última vez e depois saiu da casa deixando-a sozinha. Sentando-se novamente sofá, Fernanda refletia em tudo que estava acontecendo, “Eu sou uma burra mesmo! Sempre escolhendo o cara errado... isto que é gostar de sofrer...”.

“Xiii, ele esqueceu a carteira dele...”, pensou Fernanda ao pegar a carteira de Marcos sobre o sofá, em seguida a campainha soou. “Deve ser ele atrás da carteira...”, Fernanda respirou fundo, “Quer saber vou mudar este jogo... ele sempre esteve do meu lado, sempre me tratou com muito carinho, porque não daria certo? ”. Fernanda dirigiu-se à porta decidida a cair nos braços de Marcos e assim que abriu a porta seu coração disparou.

- Alex!!??

* Todos os nomes dos personagens, assim como de instituições utilizadas neste texto, são apenas nomes fantasias e não referenciam a nenhuma pessoa, local ou razão social.

** Participe deixando seu comentário no campo abaixo!

9 comentários:

  1. Sempre muito bom ler o que escreve. Ganhou uma leitora assídua.
    Impressão minha ou ficou no ar a ideia de uma continuação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado mais uma vez Rê por estar aqui, este seu retorno é sem muito bom! E quanto a continuação... bom, quem sabe ... rs

      Excluir
  2. Eu acho justo a continuação rs. Me deixou com aquele gostinho de quero mais, aquele que só as coisas boas fazem. Rê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou estudar uma continuação, por enquanto estou trabalhando em outro conto rs ... um pedido que me fizeram rs...

      Excluir
    2. Então é melhor atender o pedido mesmo. Rs

      Excluir
  3. Afa... se contorcer sentindo a boca dele chupando o sexo com voracidade... é muito tesão!!!
    Fiquei molhadinha com essa!!
    BJssssssssssss DANTE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto mais molhada melhor rs... Obrigado por deixar o seu comentário.

      Abs
      Dante

      Excluir

O que achou deste conto? Expresse a sua opinião comentando neste campo. O comentário pode ser feito até como Anônimo, basta selecionar a opção no campo abaixo (Comentar como:).

 

Quem sou eu...

Minha foto

Quero compartilhar através de minha escrita um devaneio de sensações, sentimentos e desejos. Sejam bem vindos e apreciem sem moderação.

Qual o seu Sexo?

Contato como o autor:

Nome

E-mail *

Mensagem *

O que achou do Visual deste Blog?