Translate


Entrevista com Dante Gavazzoni

- Muito bem, vejo que é uma mulher pontual – ele disse olhando-a nos olhos assim que abriu a porta.

- Estava muito ansiosa por esta entrevista, acompanho o seu trabalho há muito tempo, por isto não quero desperdiçar um só minuto – disse Fernanda sentindo-se um tanto nervosa diante dele.

- OK, por favor entre e sinta-se à vontade...

- Obrigada por me receber – ela disse ao entrar em seu luxuoso apartamento – prometo não roubar muito do seu tempo... – ela completou enquanto olhava-o fechar a porta.

- Mas é um prazer receber uma mulher como você em minha casa – ele respondeu descendo seu olhar por todo o corpo dela como se a despisse - Acompanho seus artigos também Srta. Aguiar, sempre trazendo algo sobre o universo Erótico, é umas das poucas jornalistas que de fato sabe abordar algo útil sobre este tema sem deixá-lo baunilha demais, se é que me entende – disse Dante enquanto servia o vinho em duas taças.

- Sim, entendo, aprecio muito este tema principalmente por ele conseguir cativar aquele lado mais obscuro das pessoas, sem falar que estas inúmeras facetas deste universo também me fascinam... – ela respondeu vendo-o se aproximar com as duas taças de vinho. Fernanda sentia seu sexo umedecer aos poucos, aquele perfume a inebriava enquanto.

Assim que ele lhe entregou sua taça, olharam um para o outro, brindaram e degustaram um dos melhores vinhos que Fernanda provou. Sentados no sofá, Fernanda iniciou a entrevista de uma forma bem descontraída, conversavam sobre diversas fantasias, fetiches e riam um pouco de situações inusitadas que já lhe ocorreram.

- Bom, são oito anos escrevendo contos, o que te motiva a escrever até hoje?
Houve um breve silêncio. Ele encarou-a nos olhos com um semblante sádico e perguntou:

- Consigo te excitar com meus contos?

Imediatamente o rosto de Fernanda corou e com muita dificuldade ela respondeu:

– Sim...
- Pois esta é justamente a minha inspiração. Enquanto eu conseguir proporcionar ao menos um breve momento de prazer a uma mulher, continuarei escrevendo.

As palavras de Dante a hipnotizavam-na e manter a postura começava a se tornar uma tarefa árdua. E sem explicar ao certo como, ao raciocinar Fernanda notou que Dante repentinamente se encontrava ao seu lado e com uma mão entre suas coxas apertando-a sutilmente.

- E me diz uma coisa Fernanda...  Quais dos meus contos te excitam mais? – Perguntou Dante ao pé do ouvido roçando sutilmente os lábios no pescoço dela e subindo sua mão entre suas coxas por baixo do vestido.

- Traição... domínio... uhmmm...– respondeu Fernanda fechando os olhos sentindo os dedos dele massageando sua boceta por cima de sua calcinha.
- Muito bem, e você é casada? Já traiu?

- Sou Noiva, nunca traí, mas com você... esta ideia me excita... – respondeu Fernanda já sentindo-o puxar sua calcinha.

Arqueando um pouco o corpo Fernanda ajudou-o naquela façanha. Seus movimentos eram sutis, mas muito hábeis e rapidamente fizeram que com sua calcinha fosse jogada longe dali.

- Agora me diz... quem é o seu Dono? – Perguntou Dante segurando firme seu cabelo, e Fernanda respondeu - O Sr. Dante Gavazzoni, me use da forma que desejar... sou toda sua...

- Boa garota...

Fernanda encontrava-se totalmente seduzida. Com uma mão na nuca de Fernanda Dante a trouxe para si e a beijou com volúpia. As línguas se entrelaçavam deixando o beijo extremamente ousado. Deixando umas das pernas de Fernanda sobre a sua, Dante deslizou dois dedos para dentro de sua boceta e passou a socá-los com intensidade.

- Levante-se... – ordenou Dante ao retirar seus dedos de dentro dela.
Olhando-o nos olhos Fernanda ficou em pé de frente para ele.

- Agora tire seu vestido...

Deixando as alças do seu vestido de lado Fernanda deixou-o deslizar por sua pele caindo a seus pés e via Dante subir lentamente seu olhar por todo seu corpo.

- O sutiã...

Sensualmente Fernanda desfez o sutiã e agora encontrava-se praticamente nua, com exceção de suas meias 7/8 e o salto alto. Rapidamente Fernanda lembrou de uma experiência tivera com um DOM e naquele momento não conseguia justificar exatamente o porquê, mas sentia-se muito mais excitada e segura com Dante.

- Fique onde está... – Fernanda prontamente obedeceu vendo seu Dono levantar-se e sair. Certo tempo depois ele retornou e ao aproximar-se por trás dela, ele ajeitou o seu cabelo de lado e logo Fernanda sentiu uma coleira ser colocada em seu pescoço.

- Ajoelhe-se de frente para mim...

Assim que Fernanda postou-se de frente Dante ajoelhando-se, um misto de medo e tesão percorreu seu corpo ao vê-lo nu e com uma chibata em suas mãos.

- Agora chupe o meu pau até eu ordenar que pare... – novamente ele ordenou.
Com sua mão naquele belo cacete, Fernanda começou a punhetá-lo devagar, depois abocanhou-o passando a chupá-lo com vontade. Sentia-o pulsar em sua boca, a deixando ainda mais excitada, e enquanto chupava-o apreciava o semblante de prazer de seu Dono.

- Pare.... Levante-se e fique ajoelhada no sofá apoiando-se em seu encosto.
As ordens eram sempre bem claras, e Fernanda novamente atendia demonstrando obediência a seu Dono. Assim que se postou naquela posição, sentiu-o puxar seu cabelo e beijá-la com volúpia. As línguas entrelaçadas, brincando safadas deixavam o beijo fervoroso e excitante.

- Me fode... – suplicou Fernanda...

Dando um passo para trás Dante a fez urrar de dor e prazer quando lhe enfiou uma chibatada em suas nádegas.

- Você está aqui apenas para me satisfazer... será meu bicho de estimação.... Fui claro? – Disse Dante enfiando-lhe mais dois golpes em sua bunda deixando sua pele marcada.

- Arhhh, sim Dante, sou sua escrava, sua cachor... Arhhhhhh!!! – Antes que concluísse sua fala Fernanda urrou ao sentir aquele membro invadindo, rasgando-a sua boceta. Ele penetrava-a profundamente e logo começou a bombar levando à loucura com suas fortes estocadas.

...

Dante a usou em seus jogos BDSM durante toda a noite, transaram por quase todos os cantos do apartamento até por fim adormecerem na luxuosa cama que ele possuía em seu quarto. Pela manhã Dante acordou e a viu já de pé em sua frente, vestida e ajeitando o cabelo em frente ao espelho.

- Acho que sua entrevista ficou incompleta... – disse Dante com um semblante irônico.

- Bom dia, meu Dono... estava aguardando-o acordar – disse Fernanda aproximando-se e sentando-se sobre o corpo de Dante - Você me enlouqueceu esta noite, nunca senti algo tão intenso assim... é uma pena que preciso ir, mas só tem um probleminha... – Fernanda fez uma breve pausa, olhou-o nos olhos sorrindo e completou - não sei onde foi parar minha calcinha...

Dante levou uma mão ao rosto dela, acariciou-o, apreciou o seu sorriso, mas excitou em suas palavras.

Um momento de silêncio pairou sobre os dois.
Sentindo aquele cacete completamente enrijecido tocar sua coxa, Fernanda ajeitou-o em sua boceta e deslizou por ele passando logo a cavalgar com magnitude, intensidade e muito prazer. Os dois chegaram ao ápice juntos, o sincronismo entre eles eram algo perfeito, e ficou claro já naquela noite. Após mais alguns beijos e carícias, Fernanda levantou-se e se ajeitou novamente.

- Realmente preciso ir... – disse Fernanda.

Dante levantou-se, aproximou-se dela, segurou sua mão e disse - Obrigado por esta noite Fernanda... – em seguida tomou-a em seus braços e beijou-a com paixão – interrompendo o beijo Fernanda disse - Aí Dante, você está me deixando confusa... não faz isto... – respondeu Fernanda olhando-o nos olhos.

 – Preciso ir... – concluiu Fernanda saindo às pressas e deixando-o sozinho.
....

A noite em seu apartamento Fernanda concluía a edição do que seria um de seus maiores trabalhos, “Entrevista com Dante Gavazzoni”. Assim que terminou recostou-se em sua poltrona e pegou a caneca com o chocolate. Estava pensativa, as sensações daquela última noite ainda tomavam o seu corpo.

“Estou ficando louca, isto não é certo... é somente uma fantasia...”
...

Duas horas depois...

- Boa noite, meu Dono... – disse Fernanda abrindo seu casaco e postando-se completamente nua diante de seu noivo que logo tomou-a em seus braços beijando-a com fervor.

Da sacada do apartamento 411 do edifício *Arcádia II Dante se encontrava sozinho, contemplando o silêncio e o vazio.


* Todos os nomes dos personagens, assim como de instituições utilizadas neste texto, são apenas nomes fantasias e não referenciam a nenhuma pessoa, local ou razão social.



Participe, deixe o seu comentário!

3 comentários:

  1. uau... me excitou e dai fico curiosa... amei... J...

    ResponderExcluir
  2. Ai meu Deeeuuus...
    Queria eu ter feito essa entrevista contigo!!!
    Vc deliciosamente é uma sedução.
    Bjs por onde queiras!!!
    (Leoa)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Venha fazer Leoa, não precisa nem marcar horário, as portas estão abertas ... obrigado pela visita.

      Excluir

O que achou deste conto? Expresse a sua opinião comentando neste campo. O comentário pode ser feito até como Anônimo, basta selecionar a opção no campo abaixo (Comentar como:).

 

Quem sou eu...

Minha foto

Quero compartilhar através de minha escrita um devaneio de sensações, sentimentos e desejos. Sejam bem vindos e apreciem sem moderação.

Qual o seu Sexo?

Contato como o autor:

Nome

E-mail *

Mensagem *

O que achou do Visual deste Blog?