Translate


Você é minha...

Assim que saiu do banheiro Sophia olhou para a tela de seu computador e notou que havia recebido uma mensagem via Skype. 

Alguns dias enquanto navegava pela internet a procura de conteúdos eróticos, chegou ao blog de Dante Gavazzoni, autor de contos e relatos eróticos. Sua escrita imediatamente a deixou excitada, e aos poucos viciada, foi então resolveu então procurá-lo para dizer o quanto seus textos mexiam com ela.

Logo de início a sintonia entre os dois foi perfeita, logo começaram a fantasiar e compartilhar desejos e fetiches. Dante conseguiu aflorar ainda mais sexualidade, fazendo Sophia sentir-se muito mais desejada.

- O que está fazendo amor? Vem aqui pra cama, ainda está brava comigo? – disse Renato deitado na cama olhando sua noiva em frente ao PC.

"Amanhã será uma ótima oportunidade de nos conhecermos melhor, quero que você venha até meu apartamento para conversar e tomar um bom vinho? O que acha?"

"Não sei o que está acontecendo comigo, cada vez que trocamos mensagens ou leio seus contos fico mais envolvida... excitada... estou com medo do que pode acontecer..."

- Não seu bobo, só estou vendo umas coisinhas aqui... - respondeu Sophia a Renato enquanto respondia aquela mensagem.
...

Um táxi a deixou em frente ao edifício *Arcádia I. Na recepção um homem de belos traços a recebeu educadamente e depois anunciou ao Sr. Gavazzoni sua chegada.

"É apenas uma conversa...", pensava Sophia enquanto ajeitava seu vestido olhando-se no espelho do elevador. Ao sair, Sophia notou que já se encontrava no interior da luxuosa cobertura de Dante Gavazzoni. “Nossa!”, falava pra si mesma impressionada com tamanho luxo. Um dos quadros expostos na sala por onde dava seus primeiros passos lhe prendeu a atenção e Sophia olhava-o admirada, até que segundos depois sentiu-o encaixando-se ao seu corpo e abraçando-a por trás:

- Que bom que veio, Sophia...
- Dante... – sussurrou Sophia ao ouvir aquela voz e sentir o seu perfume levemente amadeirado.

- Deixe-me vê-la – Dante virou-a de frente para ele e subia seu olhar por todo seu corpo até finalmente encará-la nos olhos e dizer – Está linda...
- Obrigada Dante, você é muito gentil... ah e ... e este seu apartamento é um verdadeiro sonho. Dante sorriu e disse – Venha, vamos beber algo...

Acompanhados de suas taças de vinho sentaram-se no sofá. Sophia olhava-o admirada com seus traços e com seu jeito, certamente um sedutor nato. Diante da elegância de Sophia, Dante seguia o mesmo molde, usando uma camisa preta ligeiramente aberta, calça e sapatos sociais, e barba por fazer.

E aquela mesma sintonia que existia nas conversas pela internet, se transplantou para aquele sofá. Conversavam como se já se conhecessem há anos, ele conseguia a deixar completamente à vontade. Logo a conversa tomou o rumo que desejavam, falavam de sexo abertamente, sem rodeios, riram de algumas situações e logo os olhares tornavam-se mais ousados, e os corpos mais próximos. E assim não demorou muito para que o primeiro beijo acontecesse. As línguas encontravam-se sedentas, e Sophia sentia a mão dele subir entre suas pernas fazendo-a arrepiar-se.

Dante interrompeu o beijo e acariciando o rosto dela olhava-a nos olhos.

- Quero que veja uma coisa... – disse Dante levantando-se. 
Segurando-a pela mão Dante a levou até a sacada do prédio.
- Não acredito! Que lindo Dante!! – disse Sophia extasiada ao ver toda aquela cidade diante de seus olhos.

Debruçada no parapeito do prédio Sophia olhava maravilhada com a beleza da noite, repleta de faróis de carros, brilho dos postes, e as luzes de outros prédios. E foi neste momento que ela sentiu-o encaixar-se novamente ao corpo dela, imediatamente empinou-o, virou seu rosto e sorriu ao ver a boca dele encaixando-se a sua.

Enquanto beijavam-se Dante trouxe as alças do vestido de Sophia para as laterais fazendo-o deslizar e cair a seus pés. Sophia usava uma meia rendada 7/8, calcinha de renda preta e um sutiã na mesma cor. Rebolando sensualmente Sophia esfregava sua bunda ao cacete enrijecido de Dante, provocando-o.

Até que para sua surpresa Dante começou a passar uma fita em seu punho prendendo-o no parapeito. Vê-lo fazer aquilo a deixou incrivelmente excitada, parecia estar em um daqueles contos que tanto a excitavam. Depois de lhe prender os dois braços, Dante abaixou-se atrás de Sophia e começou a puxar lentamente sua calcinha até tirá-la completamente. Então levantou, afastou-se um pouco e ficou olhando-a. Apreciando a beleza daquela pele negra que brilhava de forma esplêndida, enquanto isto despiu-se ficando completamente nu. 

Aproximando-se ele levou sua mão ao corpo dela, segurou suas nádegas, as abriu e examinava detalhe por detalhe de seu corpo. E olhando aquele cuzinho, não resistiu, se pôs a chupá-lo com vigor, fazendo-a fechar os olhos e gemer forte ao sentir aquela língua invadindo-a sem pudor. Sophia abriu um pouco mais suas pernas e empinou facilitando a investida de Dante que agora abocanhava sua boceta e a passava a chupá-la com volúpia.

Levantando-se Dante voltou a abrir a bunda de Sophia e pousou seu cacete no meio dela. Ao sentir aquele membro pulsando Sophia logo tratou de esfregar-se nele, subia e descia, masturbando-o com sua bunda. Os urros de prazer de Dante a deixavam ainda mais safada e ousada. Não demorou nada para que Sophia sentisse-o ajeitar o cacete em sua boceta e a penetrar até o fundo fazendo-a soltar um forte gemido.

Dante passou a estocá-la com muito vigor, suas mãos desfizeram o sutiã de Sophia e logo estavam tomavam os seios dela e apertando-os com tesão. 

Sophia estava quase a ponto de gozar quando Dante interrompeu as estocadas fazendo-a enlouquecer. Depois a soltou, tomou-a em seus braços e a beijou com volúpia.

- Você é minha, e está aqui exclusivamente para me satisfazer, satisfazer os prazeres de seu Dono... agora ajoelhe-se... – ele disse encarando-a nos olhos. Sophia estava muito excitada para perder tempo com questionamentos e ajoelhou-se perante aquele homem.

- Agora chupe o meu cacete olhando para mim... e só pare quando eu ordenar... – disse Dante entregando seu cacete na boca de Sophia.

- Sim... Renato? O que? Não!!??
- Amor!! Ei acorda!! Você tá bem?

Sophia sentou-se da cama ofegando, olhou em sua volta, retomava o folego aos poucos, olhou para a TV ligada e depois para Renato ao seu lado olhando-a com um semblante de poucos amigos.

- O que aconteceu? – perguntou Renato.
- Foi... foi só um pesadelo – respondeu Sophia voltando a deitar, pensativa, “Droga, não acredito... foi apenas um sonho!”.

*** Dedicado a Sophia Passos. Obrigado pela inspiração.

** Todos os nomes dos personagens, assim como de instituições utilizadas neste texto, são apenas nomes fantasias e não referenciam a nenhuma pessoa, local ou razão social.

12 comentários:

  1. Que PERFEIÇÃO!
    Amei cada detalhe, cada palavra, me imaginei em cada trecho!
    Muito obrigada por fazer da minha inspiração a sua também e relatá-la nesse contexto tão excitante!
    Espero que possamos ter mais parcerias como essa!
    Beijos, Sophia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz em saber que consegui captar um pouco de sua fantasia e transcrever neste texto. Obrigado Sophia!

      Excluir
  2. Hum, realmente muito bom! Viciante...instigante....inspirador! Mas.....já te ocorreu escrever para mulheres que não façam parte do padrão de beleza vigente? Mulheres maduras..reais....cheias de vontades...porém secretas e nunca realizadas.....justamente por estarem fora deste padrão. Apenas uma sugestão.....quem sabe ainda verei algo sobre isso aqui....rs.Bjinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, pena que nao deixou seu nome, mas gostei muito deste comentário. Gosto de ver as pessoas participando, sugerindo e criticando.

      Bom a maior parte dos meus contos são escritos através de fantasias de mulheres, me escrevem ou conversam comigo e me contam suas fantasias. Tento não focar muito na descrição do corpo, porque isto deixo ao gosto do freguês, tento investir mais na descrição das roupas, porque acho que a forma de se vestir de acordo com determinada situação excita mais.

      Por outro lado vejo que existe de fato uma parcela que leitoras que preciso agradar mais, acho que a "mais gordinha, ou a casada mãe de família... a tímida..", precisam se identificar com a personagem, ver que são como elas.

      Tem alguns contos prontos que vão entrar, mas vou escrever algo como me sugeriu, ...só uma coisa ... é um preconceito dizer que uma mulher seguidora dos padrões de beleza atuais seja menos real ou madura comparado com aquelas que não são. Pra mim todas são reais.

      Estar no padrão ou não é algo apenas pra fazerem as pessoas criarem ilusões ou traumas banais e desnecessários.

      Excluir
    2. obrigada pela gentiliza de responder....

      Excluir
  3. e eu ia esquecendo....tramas pessoais não são banais para quem os vive.....são muito reais e doloridos....resultam de vivencias reais....nao ilusões ou delírios de mulheres carentes, rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez você queira me contar a sua história, me escreva.... talvez ela possa se tornar um conto.

      Excluir
    2. Muita gentileza tua....mas nao sei.....talvez, quem sabe, mas agradeço teu possível interesse na minha história.Beijos I.

      Excluir
    3. Fique a vontade... espero que consiga te agradar nos próximos contos... E estou aqui, a disposição para uma boa conversa abs Dante

      Excluir
    4. Teus contos são muito bons....bem escritos.....realmente nos leva a imaginar a cena....parabéns..I...!

      Excluir
  4. oh minha senhora das calcinhas molhadas, fazeis este belo homem parar de me excitar assim... J..

    ResponderExcluir

O que achou deste conto? Expresse a sua opinião comentando neste campo. O comentário pode ser feito até como Anônimo, basta selecionar a opção no campo abaixo (Comentar como:).

 

Quem sou eu...

Minha foto

Quero compartilhar através de minha escrita um devaneio de sensações, sentimentos e desejos. Sejam bem vindos e apreciem sem moderação.

Qual o seu Sexo?

Contato como o autor:

Nome

E-mail *

Mensagem *

O que achou do Visual deste Blog?