Translate


Domínio II

Empunhando sua arma Amanda começou a recuar.

Mas pouco antes que pudesse chegar até a porta assustou-se com o seu forte batido ao fechar-se, e mesmo com toda sua experiência aquele susto a fez vacilar, acabou soltando sua arma deixando-a cair no chão.

- Não ouse fazer nada, senão atiro! – Dizia Amanda, mas era perceptível o pavor em sua voz.

- Ah, ah, ah, é mesmo? Acho que alguém perdeu sua arma. Mas vou facilitar seu trabalho Detetive e vou ficar bem aqui, diante de você, pronto... agora tens a chance de me capturar.

- Vou te prender seu maníaco! – respondeu Amanda com a mão em sua algema.

- Sabia que tenho uma tara por Policiais, Detetives femininas...

De repente ele segurou o braço de Amanda e guiou a mão dela até o seu cacete que se encontrava completamente enrijecido. Amanda nervosa ao senti-lo não conseguia sequer desprender a algema de seu cinto.

- Me masturbe....  – ele disse de forma ríspida.

Amanda, ficou imóvel por uns segundos, apenas segurando aquele pênis, em seguida começou a masturbá-lo timidamente, estava sem graça com a situação, principalmente pelo poder de domínio dele sobre ela. Depois de masturbá-lo, Amanda sentiu seus braços serem colocados para trás, seus punhos serem algemados e sua saia foi levantada até a cintura. Logo em seguida ele tocou seu sexo por cima da calcinha, sentindo-a incrivelmente molhada.

- Olha só como o jogo vira de lado, posso te matar agora e tirá-la completamente do meu caminho.

- Não, por favor... eu faço o que você quiser... – Amanda suplicou por sua vida ao ver no que havia se metido. Agora sua vida estava nas mãos de um louco e tudo por uma fraqueza sua.

- A partir de agora serei o seu Dono, deverá sempre se referir a mim como meu Senhor, fui claro?

- Sim...sim... meu Senhor...

- Muito bem... aprende rápido... Seu propósito é apenas me satisfazer, portanto ajoelhe-se e coloque todo meu pau em sua boca, chupe-o e me faça gozar em sua boca.

Amanda ajoelhou-se imediatamente, logo sentiu o membro dele tocar seus lábios, então abocanhou-o e se pôs a chupá-lo com vigor.

- Arhhhh... boa menina... – urrou soltando um forte jato de porra e inundando a boca de Amanda.

De repente Amanda sentiu sua blusinha sendo aberta com força e a mão dele a tocar seus seios por cima do sutiã, fazendo-a arrepiar-se completamente.

- Fique quietinha ai – Ele ordenou e em seguida se distanciou.

Instantes depois ele voltou e amarrou uma corda nos tornozelos de Amanda e depois um pano na boca dela, desprendeu seus braços, colocou-os para frente e voltou a algemá-los.

Uns 5 minutos depois Amanda ouviu um barulho de chave caindo ao chão.

- A chave que abre a algema está em algum lugar desta sala, procure e encontre sua liberdade por hoje...

Em seguida ele saiu daquela sala deixando-a sozinha. Amanda se debatia sentindo raiva de si mesma. Depois de um tempo a corda em seus tornozelos ficou um pouco mais flexível devido seus esforços o que facilitou um pouco o trabalho.
...

Duas horas haviam se passado, a maioria dos policiais haviam ido embora e Rodrigo andava de um lado para o outro perguntando para seus colegas sobre Amanda. Ninguém sabia de seu paradeiro, então decidiu fazer uma ronda pela fábrica.

Foi no momento em que entrou em um dos principais corredores daquele lugar que ele avistou Amanda vindo em sua direção caminhando com certa dificuldade segurando-se na parede.

- Amanda... Amanda... está tudo bem? O que aconteceu? – Perguntava Rodrigo assustado ao se aproximar e notar o estado de suas roupas e de sua pele.

- Apenas cai numa vala Rodrigo... estou bem.

- Este prédio está abandonado a muito tempo, é preciso cuidado. Venha, deixe-me ajudá-la... – disse Rodrigo envolvendo seus braços ao corpo dela e ajudando-a caminhar.
....

Duas Semanas depois...

Assim que acionou toda sua equipe para ir ao endereço do sádico, Amanda pegou seu jaleco e saiu da sala. Desejava prendê-lo pessoalmente, havia passado aquelas duas últimas semanas investigando como jamais havia feito em sua vida, frequentou todos clubes de BDSM da cidade, até que chegou a um nome.

Passando pelo corredor, olhou rapidamente para a sala de registros de Ocorrências e avistou uma moça de cabelos vermelhos escutando música no fone de ouvido enquanto trabalhava, “Uhmm, deve ser nova, nunca a vi...”.

Há alguns passos da porta avistou um policial parado no final do corredor tomando café, aquilo a deixou nervosa.

- Ei policial eu não mandei todos irem para o endereço ordenado!
O policial nada respondeu e permanecia de costas para Amanda tomando seu café. Furiosa Amanda se dirigiu até o policial colocou a mão em seu ombro e o puxou dizendo:

- Será que o senhor não entendeu!!??

Quando olhou para o policial Amanda e um calafrio percorreu todo seu corpo ao ver que o mesmo usava uma máscara tampando parte de seu rosto.

- Olá Amanda, não me reconheces mais?
- É você?

As pernas de Amanda ficaram fracas no mesmo instante.

- Sim querida, você fez muito bem em levar toda sua equipe para o endereço que eu meus amigos deixaram vagando nas entrelinhas de sua investigação – disse rindo ironicamente.

- Você está preso!

O sádico soltou uma gargalhada irônica, aproximou-se dele e disse ao pé de seu ouvido:

- Eu sei o que você quer Amanda, conheço sua fraqueza...

Amanda soltou um sussurro sentindo a respiração dele em sua pele.

- Não! - Amanda gritou, afastou-se e levou sua mão para pegar a arma. Mas foi neste momento que ela foi surpreendida por trás e um pano umedecido tampou seu nariz fazendo-a perder aos poucos as forças até ficar completamente desacordada.

- Muito bem Rodrigo, fez um ótimo trabalho.
- Olha só eu maníaco, eu só atendi seu pedido porque não quero mais ver esta vagabunda trabalhando aqui! - disse Rodrigo com ódio no olhar, enquanto o Sádico o olhava-o menosprezando suas razões e sentimentos.

- Com a saída dela eu ocuparei seu lugar. Agora suma com ela daqui!

- Porque tanto ódio meu caro Rodrigo? Sinto aí um coração magoado, por acaso ela andou de dando algum fora? Ah, ah, ah... – dizia o sádico ironicamente.

- Cale a boca e vamos terminar logo com isto!

Eles saíram pela porta dos fundos e colocaram Amanda dentro do porta-malas de um carro policial. Cinco horas depois o carro policial adentrou uma estrada antiga de terra. Amanda havia acordado, estava aflita e sem entender o que havia acontecido. Não via nada, sentia sua boca amordaçada e seus braços e pernas totalmente imobilizados.
O carro parou em frente a uma casa antiga de madeira.

Saindo do carro, ele abriu o porta-malas e olhou para Amanda sorrindo, admirando seu desespero e suas tentativas em vão de se soltar. Ele acariciou seu cabelo e ao pé do seu ouvido disse:

- Fica calma minha menina, vai ficar tudo bem...
Falou isto tirando de seu bolso uma seringa a qual injetou no braço de Amanda. Lágrimas escorriam dos olhos dela, o medo e desespero a dominavam e assim novamente ela adormeceu.

Algumas horas depois Amanda acordou, estava sentada numa cadeira de metal, o chão era liso e pintado na cor vermelha. Olhou para si e se viu em um vestido vermelho de couro brilhante e salto alto. Sentia-se limpa, sua pele estava macia e perfumada, e seus cabelos molhados.

Como não estava amordaçada, ela gritou:

- Me deixe em paz!!! Me Solte! Me tire daqui!


Sua voz ecoava pelo ambiente, raciocinou que deveria estar em um subsolo. Eis que Amanda começou escutar passos, passos que se aproximavam cada vez mais dela, em poucos segundos sentiu a presença dele, ali, parado bem atrás dela.

*** Conto escrito em Setembro/2010. Reeditado em Janeiro/2015.

** Todos os nomes dos personagens, assim como de instituições utilizadas neste texto, são apenas nomes fantasias e não referenciam a nenhuma pessoa, local ou razão social.

2 comentários:

O que achou deste conto? Expresse a sua opinião comentando neste campo. O comentário pode ser feito até como Anônimo, basta selecionar a opção no campo abaixo (Comentar como:).

 

Quem sou eu...

Minha foto

Quero compartilhar através de minha escrita um devaneio de sensações, sentimentos e desejos. Sejam bem vindos e apreciem sem moderação.

Qual o seu Sexo?

Contato como o autor:

Nome

E-mail *

Mensagem *

O que achou do Visual deste Blog?