Translate


Muito Prazer, Dante... I

- Uhmmm, acho que vou descer para tomar um café... vamos Lúcia?

- Ai Amanda, pode ir, estou super enrolada aqui...

Amanda costumava sempre reservar um tempo das suas tardes de trabalho para ir ao *Reynolds Café, um lugar calmo e aconchegante, que costumava fazê-la esquecer de seus estresses e problemas. Mesmo estando no meio do velho centro da cidade de São Paulo, ele tinha uma localização privilegiada, a rua era de baixo movimento, e viam-se poucos arruaceiros ou drogados por ali. Em sua faixada havia apenas uma pequena placa com o nome do Café e os dizeres Aberto ou Fechado. Aquela simplicidade continuava modestamente em seu interior com uma decoração ao estilo de Pub´s britânicos e por quase toda parte havia quadros de artistas ingleses como Beatles, Rolling Stones, David Bowie.

E lá estava o velho Billy, um inglês de seus 65 anos, morava no Brasil desde seus 35 anos quando casou com uma Brasileira. Já se fazia 12 anos que ele havia perdido sua esposa, mas mesmo assim permaneceu no Brasil cuidando daquele recanto com muita dedicação. Amanda adorava estar ali, Billy já a conhecia muito bem, sabia quando ela queria apenas ficar sozinha tomando seu cappuccino naquele mesmo canto do Reynolds, ou quando ela queria conversar, e quando era assim já chegaram a perder horas conversando sobre inúmeros assuntos junto daquele balcão.

- Olá Billy!
- Boa Tarde Amanda, que bom vê-la por aqui, anda sumida eihnn!
- Ai muito trabalho Billy – respondeu Amanda.

Billy e Amanda começaram a conversar, e como quase sempre ele voltava a contar sobre suas aventuras, paixões do passado e loucuras de amor, vê-lo contar aquelas histórias sempre a enchia de vida.

- Ai Billy, gostaria de estar vivendo ao menos um grande amor como você, eu já estou cansada de tanta dor de cabeça... quando não é homem achando que sabe brincar de 50 Tons de Cinza... é tipo ursinhos carinhosos, Ah!! E recentemente descobri que tem o tipo Ostentação – Billy olhava-a rindo -... você ri né Billy, mas a coisa é séria! Eu gostaria de encontrar um que tivesse um pouco destes três tipos, a criatividade do 50 Tons de Cinza, o carinho do ursinhos carinhosos e a safadeza do Ostentação – Amanda ria junto com Billy, sentia-se muito a vontade com ele.

Olhando-a nos olhos Billy perguntou:

- Pelo jeito brigou com ele novamente né?
- Ah Billy, o Victor não entende que também preciso respirar, ele não me dá paz... Ontem brigamos e mandei-o embora.

Billy sorriu, e disse - Mas Amanda, com aquele outro, o...  Alex... Você dizia quase a mesma coisa, não acha que talvez seja você que não esteja dando a oportunidade de conhecê-los melhor... Ou talvez esteja por algum motivo com medo de gostar demais e acabar se machucando.

- Nossa Billy... – Amanda sentiu seu corpo arrepiar-se por inteiro, sentiu-se nua diante de seu amigo -... Você acha que... – antes de conseguir completar sua pergunta Amanda foi interrompida pelo barulho da porta abrindo-se.

- Grande Billy!
- Dante!

Amanda olhou para trás, e seu olhar encontrou imediatamente com o daquele homem que educadamente lhe desejou uma boa tarde olhando-a nos olhos e sorrindo. Amanda retribuiu o cumprimento de forma simpática e ficou olhando-o cumprimentar Billy com fervor.

De imediato Amanda ficou encantada com ele. Aquele olhar, o jeito acolhedor e aquela enorme tatuagem no braço deixava-o muito atraente.  

- Conhece minha amiga Dante?
- Apesar de o rosto parecer familiar – olhando-a nos olhos – não, não a conheço.

“Nossa...”, Amanda sentiu um arrepio percorrer o corpo quando ele a olhou novamente “Uhmmm... que olhar mais gostoso”, pensou abrindo um sorriso, então disse – É acho que não, e pelo jeito você também deve vir muito aqui.

- Sim, pelo menos há três anos não é Billy?

- Sim, sim Dante... e a Amanda também, é muito engraçado vocês ainda não terem se conhecido. Puts!!

- O que foi Billy? – perguntou Dante.
- Nossa! Nossa! Esqueci os pãezinhos de queijo no forno, por favor, podem ficar a vontade... – Billy saiu correndo indo para os fundos do estabelecimento. Dante e Amanda ficaram rindo do velho Billy ao vê-lo o sair correndo para salvar os pães de queijo, até se olharam novamente.

- Bom, é Amanda...?
- Amanda Vinhedo... e você?
- Dante Gavazzoni.
- Uhmmm, é descendente de Italiano? Adoro a culinária Italiana...
- Sou sim. De fato a culinária Italiana tem um retinque especial, também aprecio muito – respondeu Dante sorrindo... e você... trabalha por aqui perto?
- Sim, costumo vir aqui à tardezinha pra visitar o Billy e tomar este ótimo cappuccino.

- Este cappuccino é realmente muito bom... eu moro em um apartamento aqui perto. Desde que conheci este lugar me apaixonei, é muito aconchegante e o Billy, nossa... é o segredo de tudo isto, ele tem um coração enorme.

Amanda olhava-o com admiração e assim começaram a se conhecer. Ficaram conversando por um tempo, até esqueceram-se do velho Billy em sua missão com os pães de queijo. Dante trabalhava com fotografia, gostava de viajar, parecia ter uma vida muito intensa. Amanda não ficava atrás, Publicitária, adorava sair com suas amigas, dançar e viajar.

- Bom, infelizmente eu preciso ir Amanda, diga ao Billy que um dia deste eu passo aqui com mais tempo para conversar com ele...

- Ah que pena, a conversa estava tão boa... – disse Amanda olhando-o admirando os traços de seu rosto, sua boca e por fim os braços. Dante mantinha um olhar intenso sobre Amanda - É uma bela mulher... – disse Dante descendo o olhar clinicamente por todo o corpo de Amanda fazendo-a arrepiar-se.

- Podemos trocar contato? – perguntou Dante.

- Claro, anote, por favor... “Ufa... Achei que não ia pedir”, pensou Amanda.
Depois de trocarem os contatos Dante mencionou sobre um compromisso que tinha no final da tarde, Amanda respondeu dizendo que também precisava ir, pois já havia matado muito tempo do trabalho e que só iria esperar o Billy.

Levantando-se do banco para despedir-se de Dante, Amanda precisou levantar os pés para beijá-lo, e assim que seu corpo encostou-se ao dele, sentiu sua boca sendo coberta parcialmente... ela suspirou, fechou os olhos e virou um pouco mais seu rosto permitindo-o que ele a beija-se. Imediatamente ela sentiu aqueles braços tomando seu corpo e sua língua adentrando em sua boca de forma ousada. Seguiam beijando-se com volúpia diante do balcão do Reynolds Café.

E dominada pelos braços e pelo beijo de Dante Amanda esquecia-se de onde estava, sentia seu sexo umedecer a cada segundo com ele, estava surpresa com o tamanho prazer que estava sentindo com praticamente um desconhecido.

– Abra suas pernas... – disse Dante de forma firme ao pé do ouvido de Amanda.

- Mas aqui não... – pestanejou Amanda acariciando a nuca e cabelo de Dante.
Amanda sentiu-o mudar e quando o olhou nos olhos, teve a certeza que sim, sentia-se frágil como uma presa diante de seu predador. E aquela mudança ao mesmo tempo em que a deixava confusa, a excitava.

- Minhas ordens não estão sujeitas a nenhum tipo de discussão – Dante mordiscou lhe a orelha e completou - por isso simplesmente... – fez uma pausa -... obedeça.

Amanda quase teve um orgasmo ao ouvir aquelas palavras ainda mais naquele tom. Abrindo suas pernas suavemente Amanda respondeu em seu ouvido - Sim... Dante.


* Este conto é dedicado a uma pessoa que tem atormentado meus pensamentos e me proporcionado intensos momentos de prazer. Obrigado Amanda Vinhedo, esta série de contos é para você, espero que goste.

* Todos os nomes dos personagens, assim como de instituições utilizadas neste texto, são apenas nomes fantasias e não referenciam a nenhuma pessoa, local ou razão social.


* Participe deixando seu comentário no campo abaixo!

6 comentários:

  1. Intrigante,excitante...como só você consegue.
    Quero mais Dante.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Cris por sempre estar aqui participando e acompanhando meu trabalho, fico muito feliz e grato por isto.

      Excluir
  2. Li, com tamanho desespero, que meu olhos pulavam palavras, frases...Até me deparar com o final.
    Li, comendo cada palavra e introduzindo-as em mim, letra por letra.
    Cada detalhe, cada fala e gesto...Você captou de uma maneira ímpar, estou perplexa e nem sei como agradecer pela cumplicidade, prazer e desejo.
    Não preciso dizer que estou ansiosa pelo próximo capítulo...Sei que estou viciada em você, e disso eu tenho certeza.
    Como Amanda irá se comportar diante de Dante e suas imposições?
    Parabéns, você surpreende-me com total simplicidade.
    Beijo. A.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amanda, acredito que não preciso dizer mais nada para você. Esta sério esta sendo escrita com muito prazer. O tesão assim como outros sentimentos estavam na ponta dos dedos a cada palavra, a cada virgula... Obrigado por me proporcionar tamanho prazer.

      Excluir
  3. onde encontra esse belo exemplar? preciso de um assim. J...

    ResponderExcluir
  4. Esta por ai...em todos lugares.. observe

    ResponderExcluir

O que achou deste conto? Expresse a sua opinião comentando neste campo. O comentário pode ser feito até como Anônimo, basta selecionar a opção no campo abaixo (Comentar como:).

 

Quem sou eu...

Minha foto

Quero compartilhar através de minha escrita um devaneio de sensações, sentimentos e desejos. Sejam bem vindos e apreciem sem moderação.

Qual o seu Sexo?

Contato como o autor:

Nome

E-mail *

Mensagem *

O que achou do Visual deste Blog?