Translate


Um Novo Caminho 3 - Uma Nova Chance... (Final)

- Uhmmm, um amor proibido... seguido de um crime... – disse Amanda sorrindo e jogando seu corpo pra trás encaixando-o ao de Rafael.

- Muito bem, eu diria que é uma cena cinematográfica e muito excitante – disse Rafael ao pé de seu ouvido, deixando sua boca encostar sutilmente ao pescoço de Amanda fazendo arrepiar-se e empinar ainda mais seu corpo para sentir melhor a ereção de Rafael.

Pegando-a pela cintura Rafael virou-a com pegada, se olharam por um segundo e logo aqueles corpos juntos pareciam um só. As mãos passeavam por todas as partes e o beijo era extremamente quente, cheio de pecado e desejo.

Rafael levantou-a e a colocou contra parede e Amanda imediatamente entrelaçou suas pernas ao corpo dele. Não paravam de se beijar um só segundo, as mãos de Rafael subiam pela perna de Amanda apertando-a com muito tesão enquanto sentia os dedos dela em seu cabelo segurando-o firme.

Após colocá-la no chão Rafael a guiava em direção ao seu quarto, continuavam beijando-se como se o mundo fosse acabar daqui alguns minutos e enquanto andavam pelo corredor iam despindo-se um ao outro assim quando chegaram à porta do quarto já estavam completamente nus.

Encostado no batente porta Rafael virou-a de costas para ele, suas mãos subiam pelo corpo dela até alcançarem os seios que passou a massageá-los com muito prazer. Amanda incrivelmente excitada ficou na ponta dos pés esfregando sua bunda contra o cacete de Rafael enlouquecendo-o de tesão e já não se contendo mais ali mesmo ele ajeitou seu cacete e penetrou-a fundo fazendo a urrar.

Amanda sentia Rafael segurando-a firme pela cintura e logo começar a bombar forte, metendo sem parar. Se apoiando no batente Amanda empinava ainda mais seu corpo, rebolava e esfregava-se em Ricardo, naquele momento havia conseguido esquecer-se completamente de Henrique, e sentia-se incrivelmente excitada.

Quando sentiu o cacete de Rafael sair de boceta Amanda virou-se de frente pra ele, apoiou suas mãos no peitoral e olhou-o com ternura e tesão. Ficando na ponta dos pés o beijou. Aquele beijo molhado, as línguas cada vez mais safadas deixavam tudo ainda mais excitante, enquanto beijavam Amanda não resistiu à vontade de segurar aquele cacete em sua mão, e assim logo segurou-o e começou a masturbá-lo sentia-o pulsando em sua mão.

Abaixando-se Amanda de joelhos olhou para Rafael, sorriu e abocanhou seu cacete, sua língua deslizava pela cabeça dele, todo seu pau, chupava seu saco enquanto o masturbava e em seguida abocanhou aquele cacete passando a chupá-lo.

Depois de quase fazê-lo gozar em sua boca Amanda levantou-se e olhando-o nos olhos sorriu. Depois caminhou sensualmente para a cama – Uhmmm de casal... gostei – disse Amanda sorrindo e subindo na cama, caminhando como uma gatinha, provocando-o, mantendo aquele semblante safado.

Rafael não se conteve e aproximando-se dela levou sua boca aquela bunda, mordendo-a, dando-lhe uns tapas, e em seguida deslizou sua boca para aquela boceta onde a chupou bem forte.

Depois de deliciar-se com o sabor do sexo de sua amada, Rafael deitou-se na cama. Amanda engatinhou novamente agora ficando por cima dele; beijaram-se de forma calma, com paixão. Enquanto beijavam-se Rafael ajeitou seu cacete naquela boceta molhada e quente e então Amanda deslizou sentindo aquele membro invadindo-a e rasgando seu sexo.

Ao senti-lo todo dentro dela, Amanda esfregava-se, rebolava e começava a cavalgar, olhar para Rafael e notar aquela feição de prazer só a deixava ainda mais safada fazendo-a aumentar a intensidade das cavalgadas a cada minuto.

Era umas 10hs da manhã quando a luz do sol que invadia o quarto pelas frestas da persiana começou a ofuscar os olhos de Rafael, fazendo-o acordar.

Notou que estava sozinho na cama, “Onde ela está? Será que foi um?” – Arhhhh!! 
Rafael colocou suas mãos no rosto, depois se espreguiçou, tinha um semblante ótimo. Ao levantar-se caminhou com seu corpo nu até a cozinha, desejava encontra-la ali, preparando nosso café, mas infelizmente isto não ocorreu, encontrou somente um papel na geladeira preso por um imã.

Ao pegá-lo viu que se tratava de um bilhete dela “Adorei a noite, foi maravilhosa, mágica e extremamente excitante... obrigada... beijos... Amanda.”.

O dia passou e Rafael parecia estar nas nuvens, estava eufórico com vontade de reencontra-la, pensava nela a todo o momento e que de repente poderiam ficar juntos. E aquela velha chama, aquelas sensações e aquele sentimento que ele pensava que não iria ter nunca mais, estava acontecendo novamente e mostrando a ele que a vida precisava continuar.

O dia passou, a noite veio e nem a voz dela ele escutou, e passaram-se três dias desta forma. Até que numa noite de quarta-feira, sentado no seu velho sofá assistindo TV, ficou o coração apertado Rafael ao ouvi aquele conhecido gemido. Era Amanda, os olhos dele se encheram de lágrima num misto de raiva e decepção, “de novo não... não...”, Rafael falava consigo mesmo, suas mãos adentravam em seus cabelos, tinha o corpo inclinado e sentia seu coração arder de dor.

No dia seguinte ela ouvia as conversas, as risadas de Amanda com ele, e parecia que nada havia acontecido entre eles. O final de semana passou, e Rafael já havia tomado uma decisão, estava cansando de tudo aquilo.

Terça-feira, no elevador do prédio subindo para o seu apartamento Amanda entrou correndo ao notar que a porta iria fechar e então deu de cara com Rafael. Entreolharam-se, e um silêncio constrangedor pairou no ar por certo tempo, até que Amanda disse:

– Rafa... eu sei que precisamos conversar, você deve ter perce...
- Amanda, não precisa me dizer nada. Eu Vejo suas risadas, o jeito como o olha, como o trata, e aquilo que aconteceu; bom eu não sei...
- Estou confusa Rafael... eu gostei de estar com você... e admito ter desejado voltar a seu apartamento. Mas aí ele veio, conversamos, ele parece ter mudado...

Rafael encarou-a nos olhos e continuou – Bom, eu desejo que você seja muito feliz e quanto a mim... já tomei uma decisão, consegui um novo lugar pra ficar e estou me mudando daqui até o final desta semana – disse Rafael segurando a porta do elevador.

- Não Rafa! – disse Amanda, aproximando-se dele, olhando-o nos olhos, seu olhar estava marejado de lágrimas.
- Sim Amanda, eu acredito que todos merecemos uma segunda, terceira... chance pra tentar ser feliz. Vou fazer isto, mas aqui não consigo, mas agradeço por ter te conhecido e até por ter acontecido tudo aquilo, além de ter sido demais... me mostrou que ainda é possível conhecer alguém, se apaixonar... e além do mais... você o ama, não há lugar pra mim aqui.
- Sabe, às vezes penso se amo mesmo, ou se estou acomodada...

- Amanda... – Rafael segurou seu rosto, acariciou-o -... isto certamente o tempo te mostrará, mas eu não vejo assim, me diz quem você quer acordar todas as manhãs, ver ele preparando o seu café da manhã, pegar um cinema ou fazer aquele passeio a beira mar.
Amanda olhou-o e não se segurou mais, as lágrimas começaram a descer por seu rosto, e em seguida ela abraçou-o bem forte.

- Me perdoe Rafa... você é uma ótima pessoa, entendo você, mas não queria deixar de vê-lo.
Amanda e Rafael se entreolharam e de repente as bocas começavam a ficar mais próximas.

- Quem sabe um dia Amanda... – disse Rafael olhando-a nos olhos, sorriu, e então partiu para seu apartamento. E assim que abriu a porta de seu apartamento Rafael virou-se novamente para Amanda que parecia ter ficado imóvel continuando parada junto da porta do elevador – Feliz Ano Novo Amanda... – sorriu e então entrou para seu apartamento deixando-a sozinha.

** Todos os nomes dos personagens, assim como de instituições utilizadas neste texto, são apenas nomes fantasias e não referenciam a nenhuma pessoa, local ou razão social.

*** O Titulo deste conto foi alterado de Uma chance para Felicidade para Um Novo Caminho

** Participe deixando seu comentário no campo abaixo!

5 comentários:

  1. Pois é,nem tudo é da forma que gostaríamos que fosse. :-/

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Cris... nem todas histórias possuem um final feliz...mas aprendemos com todas, a única questão é as vezes cansa, vc nao quer aprender, só quer viver seu momento de paz...seu lugar ao sol.

      Excluir
  2. Não sei o que mais me fascina se é o texto, toda a sensualidade envolvida nele ou simplesmente você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado... fico muito contente em saber que desperto este fascinio.

      Excluir
  3. caramba...
    chega, ou então me molho rsrsr

    ResponderExcluir

O que achou deste conto? Expresse a sua opinião comentando neste campo. O comentário pode ser feito até como Anônimo, basta selecionar a opção no campo abaixo (Comentar como:).

 

Quem sou eu...

Minha foto

Quero compartilhar através de minha escrita um devaneio de sensações, sentimentos e desejos. Sejam bem vindos e apreciem sem moderação.

Qual o seu Sexo?

Contato como o autor:

Nome

E-mail *

Mensagem *

O que achou do Visual deste Blog?